A Fábrica de Uniformes

Nos deram uniformes
Máscaras e convenções
Nos vomitaram teorias
“O mundo é assim mesmo”
Somos forma e conceito, eternos padrões

O pensamento é inafiançável
E conhecimento só se vende aqui
Na fábrica dos sonhos permitidos
Nem tente, nenhum outro sonho pode existir

São nosso pais, os mestres de outrora
Que aprenderam a obedecer
Todas as estranhas regras
Que convencionou-se engrandecer

Cada um de nós é iluminado
demais para perceber
que a luz está do nosso lado
Que mal há em perguntar “por quê”?

Se nos deram uniformes
Se nos ensinaram a não questionar
Vamos inventar perguntas
para as respostas que esqueceram de fabricar

E quando o Senhor de todas as idéias
ousar interromper nossa canção
Eu ja terei deixado em tua cabeça e coração
meu ponto de interrogação

Ithalo Furtado

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s