Folk

A poesia é a fronteira
entre o são e o irreal
O sol é pequeno
posso escondê-lo
posso até sê-lo nessa canção

No ébrio mundo de um violão

Quantos acordes me arrancam do peito
as verdades que ningúem notou?
Não me alimente de encanto e fascínio
a minha fome é de amor 

Que mundo há nas malas daquele estrangeiro?
Quem ele espera na estação?
Seu olhar é triste, uma dúbia alegria
Estar cercado de nada ou só na multidão

No ébrio mundo da estação

Ithalo Furtado

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s