Submerso

Escrevo do navio
Versos invisíveis
É um diário de bordo
Da minha alma nesses mares

Enquanto o vento iça as velas
Do meu coração giramundo
Eu enfrento o medo do oceano
Eu que tenho tanto medo de tudo

Aceitei ser labirinto
Quem sabe assim eu me encontro
E não procure outras verdades
Nas pequenas falhas do meu sonho

Sou tela, moldura e tinta
De um quadro vazio
O pincel que retrata o nada
A palavra “amanhã” num dia de angústia

E quando a âncora ameaçar
Interromper minha aventura
Será loucura se eu remar?
Será vertigem se eu correr?
Será heróico se eu lutar?
Será tortura se eu viver?

Ithalo Furtado

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s