A casa dos pássaros

Sem entender
se o amor tinha tamanho
se era imenso ou se só diminuia

Fui perceber
Que eu era ingênuo e estranho
o amor era só intenso e incensantemente me cabia

Mas, ainda havia uma fração de incerteza
repousada sobre mágoas, qual o sol sobre o dia
Eu não entendia que perder a inocência
era negar a esperança de escrever poesia

E quando a vida me cansar de ser vida
Haverá um quarto para fazer-se meu mundo?
Entre quatro pessoas disfarçadas de alicerce
Não meço palavras e sob as palavras me afundo

Mas, ainda haverá uma nação de incertezas
repousando sob as mágoas que sua gente irradia
Só então entendi que quem perde a decência
é quem nos da esperança como quem da ao pássaro, moradia

. Ithalo Furtado

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s