A cruz do corpo

Eu, sou aquilo que tanto busco
pelo labirinto natural dos sentimentos
– desacordado –
para não fantasiar minha existência ao fim de tudo

E a minha alma sem âmago
enverga-se com o cheiro da música
com o toque da poesia
com a textura de um sussurro

esvai, para reconstruir-se

mus

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s